Liderados pelo presidente do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PI), os deputados e senadores dos partidos de centro caminham coesos para combater a proposta da Reforma da Previdência apresentada pelo governo no que se refere a mudanças nas regras de aposentadoria dos trabalhadores rurais e no Benefício de Prestação Continuada (BPC), concedido a idosos e deficientes de baixa renda.

“Nossos líderes na Câmara e no Senado, deputado Arthur Lira e senadora Daniella Ribeiro, já estão fortalecendo nossa posição junto a toda a bancada dos progressistas e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, está ciente do que defendemos. Sabemos que a Reforma da Previdência é mais do que necessária, mas ela tem que proteger quem mais precisa”, afirma Ciro.

O BPC é um benefício remunerado garantido a idosos e deficientes que se encaixam em critérios de miserabilidade no valor de um salário mínimo. A proposta apresentada pelo governo reduz esse valor para R$ 400, por mês, até completarem 70 anos. Já em relação ao trabalhador rural, a nova reforma fixa em 60 anos a idade mínima para aposentadoria para homens e mulheres e estipula contribuição mínima de 20 anos. Para o senador, esses brasileiros não podem ser penalizados com a nova previdência.

“A reforma tem que atingir quem ganha muito, as pessoas que estão no teto. Mas as pessoas que ganham pouco, que trabalham de sol a sol no interior do Piauí, do Nordeste e do Brasil como um todo não podem sofrer com essa reforma” defende.

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado